Resenha: "Os Três Mosqueteiros" (Adaptação) - Alexandre Dumas

By 14:38 ,


Título Original: “Les Trois Mousquetaires”
Autor: Alexandre Dumas/ Adaptação: Miécio Táti
Ano de publicação: 1884 na França/ Adaptação em 1995
ISBN: 85-00-51-684-4
Editora: Ediouro (Coleção Clássicos para o Jovem Leitor)
Sinopse: Em “Os Três Mosqueteiros” encontramos a essência da capa e da espada: traição, coragem, honra, fidelidade, paixão. Nesta aventura de tirar o fôlego de qualquer jovem, com matizes fortes e brilhantes as fronteiras entre os territórios do bem e do mal são delineadas com exatidão. A violência, quando presente, não dispensa a elegância e, no confronto, não há espaço para a vitória da vileza sobre a lisura.
Estes mosqueteiros são eternos. D’Artagnan, Aramis, Athos, Porhos – e quem não se emocionou com este quarteto de exímios espadachins? E quem não se indignou com a desfaçatez e com a crueldade de Richilieu e Milady?
Esta extraordinária obra de Dumas vem sendo lida e relida por diferentes gerações que não escapam do seu fascínio. Neste recontar, Miécio Táti resgata para o jovem leitor brasileiro toda a atmosfera do gênero.


Sou uma grande fã de Alexandre Dumas desde a época que eu descobri a biblioteca perto de casa, há muito tempo. Então, suspeita para falar dessa obra mais do que digna do título de clássico. Um livro é classificado como clássico a partir do momento em que ele marca alguma época, ou passa algo a mais no seu conteúdo. Um livro também é considerado obra-prima, quando esta consagra o autor (a), sendo visto muito mais do que um romance, um ensaio, uma antologia – passando a ser uma verdadeira arte – devendo ser apreciada por todos.

Assim é “Os Três Mosqueteiros”, tanto um clássico da Literatura mundial, como a obra-prima de Alexandre Dumas, o livro que o consagrou como escritor, e até hoje faz muito sucesso entre os leitores de bom gosto.

Eu li em primeiro lugar uma adaptação bem feita, antes de tentar o texto integral, que possui uma linguagem de grau mais elevado. Em se tratando dessa releitura a única coisa que me incomodou foi provavelmente os cortes na hora de adaptar do original, deixando em alguns momentos a leitura um pouco confusa e rápida. Posso estar sendo precipitada, pois eu não li o texto integral da obra (ainda), mas foi essa a minha impressão em algumas passagens.

No entanto, isso não atrapalha o entendimento da obra em si, até porque a idéia é justamente o livro chegar às mãos de um leitor mais jovem, pouco acostumado a ler clássicos, deixando-o mais acessível à nossa linguagem. Claro que, assim como “O Morro dos Ventos Uivantes”, que eu li duas adaptações antes de ler o texto integral, eu também vou ler “Os Três Mosqueteiros” de forma completa.

O que eu mais gosto nas obras de Dumas, é essa mistura de fatos históricos com conspiração e honra, assim como em “A Rainha Margot”, que deixa a história verossímil, fazendo o leitor acreditar que D’Artagnan, Athos, Porthos e Aramis, são reais, juntamente com o cardeal Richelieu e Luís XIII, ambos personagens históricos da França, sobrando espaço ainda para duelos, romances e guerras – o sítio de La Rochelle, por exemplo que realmente aconteceu contra a Inglaterra – numa verdadeira mistura inteligente de romance com história, enriquecendo a trama e o leitor.

Surpresas, cenas cômicas, um final um pouco triste, mas feliz para os nossos quatro mosqueteiros – o título diz três, mas são quatro – eles voltam novamente a desvendar uma conspiração em “O Homem da Máscara de Ferro”, ou seja, dá para matar a saudade desse quarteto dinâmico, e mal posso esperar para achar este livro em questão.

Mais do que recomendado, leia e descubra o porquê de “Os Três Mosqueteiros” fascina os leitores até os dias de hoje.

Classificação:




Ano passado (falando assim até parece que faz muito tempo), uma adaptação da obra de Dumas chegou aos cinemas, com o lindo do Logan Lerman como D’Artagnan, Matthew Macfadyen como Athos, Ray Stevenson como Porthos e Luke Evans como Aramis. Orlando lindo Bloom encarna o Duque de Buckingham – e eu pensando que ele era mosqueteiro também. Eu ainda não vi, mas já estou com o filme em mãos. Eu fiquei com raiva quando eu fui ao cinema no intuito de assistir, mas não tive sorte e o filme já tinha saído de cartaz. Até que por um lado foi bom, pois assim dava para eu ler o livro primeiro e ver o filme depois.

Então, aguardem comentários sobre a adaptação de “Os Três Mosqueteiros” no blog.

Leia também

4 comentários

  1. Oi Lieh, tudo bem?

    Então, por incrível que pareça, ainda não li os Três Mosqueteiros! o.O É uma falha épica, e vou ter que dar um jeito de corrigir isso...
    Pelo que você fala na resenha, é um livro excelente, vai pra listinha!

    Abraços,
    Paty Algayer
    http://www.magicaliteraria.com/

    ResponderExcluir
  2. Então, não perca tempo rsrsrs. Garanto que você vai gostar =)

    Obrigada pelo comentário!

    ResponderExcluir
  3. Adorei Alexandre Dumas depois que li "O Conde de Monte Cristo", mas sou suspeita de falar pois gosto muito de livros antigos. Este ano vou ler "Os 3 mosqueteiros", mas a versão original, que já comprei.
    um abraço
    Gisela - ler para divertir

    ResponderExcluir
  4. Também adoro Alexandre Dumas!! Eu li O Conde de Montecristo também e amei!! Já achei a versão integral dos Três Mosqueteiros e muito em breve poderei ler =D

    ResponderExcluir

Hey ;) Obrigada por deixar o seu comentário e volte sempre!