Filme: O Pequeno Princípe

By 11:15 ,

Título Original: The Little Prince / Le Petit Prince
Gênero: Animação
País: França
Ano: 2015
Classificação: Livre
Status: Em cartaz
Sinopse: Tributo à obra popular de Antoine de Saint-Exupéry, que foi traduzida em mais de 250 línguas e que já vendeu mais de 145 milhões de cópias em todo o mundo, o filme é centrado na amizade entre um excêntrico velho, O Aviador (Marcos Caruso) e uma garotinha bem crescida que se muda para a casa ao lado com sua Mãe (Priscila Amorim). Através das páginas do livro do Aviador e seus desenhos, a menina (Larissa Manoela) descobre a história de como ele há muito tempo caiu em um deserto e encontrou o Pequeno Príncipe (Mattheus Caliano), um menino enigmático de um planeta distante. As experiências do Aviador e o conto das viagens do Pequeno Príncipe para outros mundos fazem a menina e o Aviador ficarem muito próximos, embarcando juntos em uma aventura memorável.



É difícil traduzir em palavras o quanto O Pequeno Príncipe significa para mim. Eu li o livro de Antoine de Saint-Exupéry ainda criança - acredito que eu tinha 12 anos quando eu tive o meu primeiro contato com a história que me encantou assim como todo mundo. Na época eu era muito jovem para entender toda a magnetude da obra e sua filosofia simples e bela. Este ano eu reli o livro e me apaixonei de novo. Quando eu fui assistir a adaptação no cinema, a emoção foi duas vezes maior porque eu senti o carinho e a dedicação que os roteiristas tiveram na hora de transpor a obra para as telas. 

O filme gira em torno do mais famoso quote: o essencial é invisível aos olhos. Crescer não é ruim, pelo contrário, é necessário na vida de qualquer pessoa. O problema é esquecer as coisas simples e perder completamente a inocência e a doçura que somente uma criança possui. A crítica a uma sociedade automatizada e sem amor é bem explícita no filme e nos acontecimentos posteriores. Além disso, o longa não se concentra somente na história do livro, contendo também a história da garota e do Aviador em paralelo que se complementam com a da obra original. 

Apesar do filme ser vendido como voltado para o público infantil, eu diria que este soa muito para o público adulto principalmente. A filosofia de amar sem querer nada em troca, aprender a dizer o adeus quando chegar a hora (que o filme aborda de forma sutil) pode ser muito complicado para uma criança pequena compreender e o longa possuia uma dinâmica de cenas e diálogos que fogem do padrão dos filmes infantis, contendo mais significado do que o óbvio. 

A animação em si, principalmente assistindo em 3D, torna a experiência muito mais agradável e divertida e particularmente eu adorei o stop-motion em muitas cenas que retratavam a história do livro. Senti até um saudosismo bobo. Os personagens e os detalhes do filme foram tão bem construídos na tela que até pareciam reais, o que não acontece com todas as animações, pelo menos as que eu pude assistir. 

A trilha sonora assinada por Hans Zimmer & Richard Harvey também é outro show a parte e muito marcante - foi difícil segurar as lágrimas em muitos momentos muito por conta do timing da música com várias cenas que por si só são emocionantes. Palmas para a equipe de dublagem e a adaptação em português porque ficou excelente e muito bem feita.

É compreensível que muitas das críticas disseram que o filme se perdeu ou é muito repetitivo e que deveria ter seguido mais fielmente ao livro. Porém acredito que a proposta dos roteiristas era pegar a ideia central da obra de Exupéry e trabalhar a adaptação em torno disso. E o resultado foi positivo em um todo. 

Belo e simples, eu recomendo assistir no cinema com tudo o que tem direito. Vale muito a pena e muito provavelmente, você não será o mesmo quando terminar de assistir. Pelo menos eu me senti diferente quando deixei a sala do cinema... 

Acho que não fui a única.


Trailer:




Leia também

0 comentários

Hey ;) Obrigada por deixar o seu comentário e volte sempre!