[Resenha] Ortodoxia - G.K. Chesterton

by - domingo, maio 21, 2017



Às vezes é necessário que alguém que conhece muito bem a si mesmo nos diga algumas verdades óbvias. Não é segredo que vivemos em um século tragado pelo relativismo onde a verdade parece que desapareceu, sendo esta apenas o "cada um com a sua". Traçar um caminho de busca à ela não é qualquer um que a faça, mas o senhor Gilbert Keith Chesterton não é qualquer um.

Publicado pela primeira vez em 1908 na Inglaterra que já sentia as mudanças no qual o autor irá retratar na obra O Que Há de Errado com o Mundo dois anos depois, Ortodoxia nada mais é do que o caminho de conversão exposto de forma sincera e racional do Gordo de volta à Igreja Católica. Diferente de qualquer testemunho que se vê hoje - alguns com muitos exageros - Chesterton nos pega pela mão e nos obriga a um esforço filosófico para compreendermos a rota que traçou para ele chegar às conclusões fundamentais sobre o Cristianismo.

Chesterton no início do livro nos apresenta sua "razão pura", aquelas convicções que nasceram e continuaram com ele por toda a sua vida no qual ele nomeia como o país das fadas. O maravilhamento infantil diante da realidade da vida é o primeiro passo que ele nos mostra que alguém deve se obrigar, maravilhamento este que é sufocado até mesmo nas crianças de berço, porém este é essencial para se chegar ao conhecimento - tal qual como Chesterton o fez.

É visível o período de confusão de ideias que o autor viveu onde ele narra as influências de diversas correntes de pensamento que quebrou o encanto inicial, fazendo-o enxergar a vida de forma torta e incorreta. A ideologia que ele mais ataca são as raízes do progressismo como conhecemos, pensamento que hoje distorce as relações humanas em níveis catastróficos. 



Em meio a tudo isso, Chesterton desiludido com tais ideias percebe que o Cristianismo, em especial a Igreja Católica permanecia em intacta em sua doutrina que sempre ia na contramão do mundo, mas que o atravessou os séculos em meio ao caos sem perder sua essência e seu Líder. Aos poucos o autor percebe que muitas das convicções que tinha, a Igreja já havia ensinado e exposto anos antes - a verdade imutável que move a humanidade, diz ele. 

Sem ideal, a humanidade anda em círculos de destruição de si mesma, substituindo ideiais por outros como se trocam as meias. "O progresso é preguiçosos, pois podemos ficar parados esperando que ele aconteça" diz Chesterton enquanto que propagar a Verdade - esta com v maiúsculo - nos exige esforço e sair do lugar comum tal qual a Igreja sempre o fez desde o início.

Ortodoxia é muito mais do que um testemunho de fé de Chesterton no Cristianismo, mas também é um verdadeiro tratado de como chegar a esta fé em um mundo que deu as costas para o seu Criador. 


Nome: Ortodoxy
Autor: G.K.Chesterton
Editora: Ecclesiae
Nº de páginas: 280
Classificação:

Leia também

10 comentários

  1. SENSACIONAL! Obrigado pela resenha e pela simplicidade. Não li ainda, mas tenho na meta Hereges, Ortodoxia e O homem eterno, e muitos dizem que a leitura é um pouco dificultosa de entender. Como não estou acostumado, procurei resenha para me preparar e acabei achando um mundo silencioso, que também faço parte! Que Deus abençoe sua vida! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário! É verdade que a leitura é um pouco difícil sim, mas vale muito a pena o esforço. Boa leitura, abraços!

      Excluir
  2. O que esse cara tem de livro bom é incontável...
    Parabéns, você está fazendo um grande favor pra humanidade divulgando suas obras!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A propósito, parabéns pelo excelente blog!

      Excluir
    2. Chesterton é sensacional, sua obra precisa ser redescoberta.

      Muito obrigada, Mauro!

      Abraços.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Ótima resenha, Juliana. PARABÉNS!! Complementarmente à tua análise, julgo que seja de grande valia destacar, também, a oposição que Chesterton faz ao racionalismo exacerbado, que, dissociado do senso comum - abarcado pela religião, mitologia, literatura, contos de fadas etc. -, conduz ao suicídio do pensamento. Vale lembrar, ainda, a sátira genial que Chesterton faz às vertentes materialistas e cientificistas, bem como às débeis filosofias de Schoppenhauer e de Nietzsche. Extraordinário!!

    ResponderExcluir
  6. Que interessante!!

    Vou ler "O Homem Eterno", do mesmo autor, primeiro. Mas esse também parece bem interessante.

    Parabéns pela resenha!

    sonhos-e-suspiros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Obrigada Dafne! Também lerei O Homem Eterno espero que ainda este ano.

    Abraços!

    ResponderExcluir

Olá. Lembre-se da cordialidade e do respeito. Qualquer comentário desrespeitoso para com a autora ou com terceiros será excluído.

Obrigada.